Notícias

Corpo de Bombeiros Militar e Defesa Civil Estadual intensificam ações diante da covid-19 e incêndios florestais no Tocantins

03/08/2020 - Divulgação

Com o aumento do número de infectados pela covid-19 em todas as partes do Tocantins, a busca pelo bem estar da população nas cidades onde há mais casos da doença tornou-se um dos maiores desafios para o Corpo de Bombeiros Militar e Defesa Civil Estadual. A forma de atuação diária contra a pandemia entra na lista dos casos inéditos de atuação e planejamento de ações, na história das duas forças.

Na primeira etapa dos trabalhos, entre 18 de maio e 27de junho, um total de 27 cidades foram alcançadas com a chamada sanitização, a aplicação de produto a base de hipoclorito de sódio e água, em locais de maior fluxo de pessoas, como agências bancárias, pontos de ônibus, feiras livres, terminais rodoviários, praças públicas, e outros.

Para executar a missão, determinada pelo governador Mauro Carlesse, o comandante geral do Corpo de Bombeiros Militar e coordenador Estado da Defesa Civil, coronel Reginaldo Leandro da Silva, colocou à disposição 50 bombeiros militares atuando por noite, com cerca de 20 veículos com bomba d’água, dos três Batalhões, em Palmas, Araguaína e Gurupi, bem como das Companhias nas regiões, central, norte e sul do estado.

As ações ficaram sob supervisão do tenente-coronel Erisvaldo Alves, coordenador-adjunto da Defesa Civil Estado. “É uma ação que veio em um momento crítico para o mundo, e o CBMTO, juntamente com a Defesa Civil estadual, se colocaram na posição de fazer algo a mais, mesmo com as demandas que ambas as forças já desenvolvem no dia a dia, e procuram dar a contribuição para que a sociedade tocantinense supere essa pandemia o mais rápido possível”, disse.

Ao longo de quase quarenta dias de sanitização, os bombeiros militares aplicaram cerca de 250 mil litros de solução descontaminante, estima-se que, só de hipoclorito de sódio, líquido base da mistura, tenha sido em torno de 10 mil litros.

“Esse desastre biológico demanda uma grande logística, e por isso a Defesa Civil Estadual também está envolvida nesta ação. Tudo foi feito com a segurança necessária e a gente parabeniza os bombeiros militares que estiveram à frente das escalas com muito comprometimento e cuidado”, destacou o cel. Reginaldo Leandro da Silva, Coordenador estadual de Defesa Civil e Comandante do CBMTO.

“O mais importante é que todo cidadão use sua máscara, faça a higienização lavando as mãos com água e sabão e faça uso de álcool em gel, e que mantenha o distanciamento social. Essas são as recomendações essenciais, em princípio”, afirmou o coronel Leandro.

Outros combates

A contribuição da Defesa Civil Estadual ocorre também no combate direto aos incêndios florestais e na formação de centenas de brigadistas. Com a implantação das Brigadas Municipais, as cidades passaram a ter equipe pronta para atender a primeira resposta em tempo hábil para controle e contenção dos incêndios, seja na zona urbana ou na zona rural.

Um total de 64 Prefeituras já tem o Termo de Cooperação Técnica assinado junto ao CBMTO e Defesa Civil Estadual, referentes aos anos de 2018, 2019 e 2020, somando 735 homens aptos para o pronto emprego. Desse volume, 30% têm contratos de trabalho firmados e estão atuando no interior.

Há ainda, a capacitação de 210 militares do Exército Brasileiro e Marinha do Brasil, sediados em Palmas. A ideia é que eles também possam atuar nos combates, mesmo que seja em suas respectivas áreas físicas e adjacências.

Segundo o tenente-coronel Erisvaldo de Oliveira Alves, coordenador adjunto de Defesa Civil Estadual, só este ano a Defesa Civil Estadual já formou 531 brigadistas, apesar do advento da pandemia, que tem exigido a atenção e colaboração de todos.

“A Prefeitura que assinou o Termo de Cooperação tem que contratar um número mínimo de brigadistas, conforme a definição do Conselho Estadual do Meio Ambiente, pelo período de três meses, quando as queimadas em nosso estado têm maior intensidade”, pontuou o tenente-coronel Alves.

Com isso, a Defesa Civil estimativa que 500 brigadistas, pelo menos, estejam em plena atividade em apoio à diminuição dos prejuízos que devastam florestas, pastos, animais, pássaros, casas e outros bens nos quatro cantos do Tocantins.